Quinta-feira, 13 de Março de 2008

As primárias Americanas estão a revelar-se cada vez mais numa "soma para nada".
Os números de delegados eleitos pelos Democratas, Obama e Hillary, são cada vez mais parecidos e neste caso a grande decisão será tomada pelo tal grupo de super delegados, com poder de voto no Congresso Democrata.

Nos EUA a realidade política em nada se assemelha à portuguesa, pelo que, até os órgãos de Comunicação Social escolhem os seus favoritos e publicam as suas vontades. Em Portugal, estamos habituados a que nas grandes campanhas eleitorais os órgãos de CS façam uma cobertura dos eventos à sua vontade, sem nomerem os seus candidatos preferidos mas a fazerem-no nas entrelinhas, muitas vezes com graves prejuizos para oa adversários.

Será que em Portugal ainda há medo de uma censura que vem com um governo eleito democráticamente?

P.S. - Pode a publicidade feita por um governo ser vista como prémio a um órgão de CS?


publicado por José Baptista às 10:25 | link do post | comentar

6 comentários:
De Paulo Colaço a 13 de Março de 2008 às 11:37
Caro Zé, tenho algumas dúvidas quanto a um modelo em que os jornais dizem o candidato que apoiam. Seria mais honesto da sua parte, caso apoiem algum.
E os que não apoiam nenhum?
Seriam obrigados a dizer que apoiam um qualquer?
É que se não o fizessem poderiam ser discriminados e acusados de cobardia por todos aqueles que, nas entrelinhas, justa ou injustamente, veriam apoios velados a este ao àquele.


De José Baptista a 13 de Março de 2008 às 13:57
A questão que cai sobre os que não apoiam nenhum candidato, seja qual for a eleição, é sempre menor que a dos que apoiam na sombra e trabalham convictamente para destruir os candidatos restantes.

Não coloquemos a questão como se fossemos um país de atrasados mentais: aqui todos pensam, mas alguns acham que são mais espertos que outros, dando-lhes chá com bolachas de água e sal em vez do fois gras e trufas...


De Tiago Borga a 13 de Março de 2008 às 15:25
Antes de mais deixa-me felicitar-te pelo blog!
Penso k em Portugal a realidade é outra! Ha demasiados "comentadores" politicos e esses normalmente são escolhidos por fazerem parte de partidos politicos! Dps ha os "outsiders" k nao dizem de k partido e k são, mas la vao dando os seus "bitates". E andamos à onda das marés...

Eu nao axo importante k haja orgãos de cs a apoiar kem ker k seja! Agora tem k haver mais clareza por parte do jornalista ou comentador k está a escrever um texto, para se saber de k lado é k está!

Um abraço


De Dominique Ventura a 13 de Março de 2008 às 16:30
Se é verdade que a América é exemplo para o mundo inteiro devido à sua democracia (!?!), no verdadeiro sentido da palavra, também o é pelos piores. Contudo, julgo que a Comunicação Social faz o que os próprios legisladores, a quem estão a dar cobertura e tempo de antena, querem que eles façam. Assim, na teoria, todos ficam a ganhar.
Mas isso parece-me pouco imparcial, nada aliás! Na minha opinião, um orgão de comunicação social é um canal que distribui o melhor possível, e isto implica sempre a verdade absoluta dos factos, os acontecimentos, que neste caso são políticos. Quanto à América, não tenho grande escolha ou preferência. Seja qual for que ganhe, o que quer que aconteça depois, será do género Malucos do Riso: até a barak obama!


De José Pedro Salgado a 13 de Março de 2008 às 22:46
Eu por acaso concordo com o modelo anglo-saxónico.

Nunca a imprensa pode ser totalmente isenta, e muito menos transparente enquanto tenta sê-lo.

Assim o melhor remédio é a honestidade. Quando lêr um jornal de direita já sei qual o desconto que tenho de dar, e vice-versa.


De Marta Rocha a 13 de Março de 2008 às 23:28
Não acredito na isenção por parte dos media. Senão vejamos o seguinte exemplo:

No Concelho de Vila Nova da Rabona há dois jornais: o Expresso da Rabona e o Semanário da Rabona.

Anuncia-se a data para eleições e surgem dois candidatos: A e B.

O Semanário da Rabona apoia declaradamente o candidato B. O Expresso da Rabona não toma posição.

O candidato A, naturalmente tem de aproveitar a influência que o candidato B não tem no Expresso e ocupa "a vaga", já que o Semanário não lhe dá qualquer tipo de visibilidade.

No dia X, saem os dois jornais, um com uma reportagem sobre o candidato A e outro com uma reportagem sobre o B.

Sabemos que um jornal apoia declaradamente o B e outro não apoia nenhum mas foi procurado pelo A.

Na prática, o espaço que cada candidato ocupou foi idêntico. Mas o facto de um jornal ter tomado "partido" teve um efeito preverso, porque abdicou da isenção para influenciar os resultados eleitorais.

Tanto melhor para o candidato A, que ganha as eleições, independentemente da "ajuda" dos media e para o Expresso da Rabona, que manteve a dignidade jornalistica. Tanto pior para o candidato B, que perde as eleições, apesar de controlar um jornal e para o Semanário da Rabona, que perde credibilidade.

Sou a favor da isenção, mas no sentido prático, ela não existe.


Comentar post

mais sobre mim
Julho 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
23
24
25

26
27
28
29
30
31


posts recentes

Apresentação Candidatura ...

www.dyonysyo.com

Comunicado JSD Entroncame...

Cheguei ao Twitter!

Porta 65 Jovem

Salário Minimo Nacional, ...

PORTUGAL DE VERDADE

A maior festa desta CAMPA...

Manuela Ferreira Leite co...

Os Políticos

arquivos

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

...

barack obama

barroso

barroso; recondução barroso na comunidad

cartoon

cavaco silva; adesão turquia à ue

dama de ferro

desmeprego; psd

director de escola

dyonysyo.com

economia

educação

eleições

eleições 2009

escola secundária do entroncamento

façamos de conta

felícia cabrita

ferreira leite

ferreira leite; psd; pme; eleições

freeport

freitas do amaral

ifsc

inflação

jacinta

josé sócrates

jsd entroncamento

liga-te@europa; festa da juventude; ence

lista psd europeias

lopes da mota; eurojust;

luta contra o cancro

manuela ferreira leite; eleições europei

marcha atrás

maria teresa azóia

mfl; verdade

ministério público; procuradoras; report

música

paulo rangel

pedro dionisio

pinócrates

porta 65; arrendamento jovem

portugal de verdade

prémio excelência europeia 2009; abstenç

psd 09

psd entroncamento

qren; silva peneda;

ranking televisivo

reabertura

salário minimo nacional

tese jusnaturalista

twitter; vício

vital moreira; destemido; medroso

white house

todas as tags

links
blogs SAPO
subscrever feeds